Startup revelação de 2020, Transfeera mira expansão em 2021

Premiação no Startup Awards,  veio logo após anúncio de investimento; para este ano, o objetivo é se tornar o primeiro marketplace banking brasileiro

O mercado das fintechs está em ascensão. De acordo com o Distrito Fintech Report 2020, o setor concentrou 35,6% do capital investido em startups em 2019, com mais de US$ 900 milhões investidos no mesmo ano.  A Transfeera acompanha esse crescimento e mira alto, o investimento recebido no final do ano passado, liderado pela Bossa Nova Investimentos e pelo Goodz Capital, vai auxiliar a startup n processo de regulação junto ao Banco Central, permitindo que a ela evolua de uma Fintech as a Service (FaaS) para ser o primeiro marketplace banking brasileiro, com soluções direcionadas em resolver as dores dos clientes, entregando inteligência, eficiência e automação de processos de pagamentos. Além de investir o dinheiro para adequações ao PIX, novo meio de pagamento instantâneo do BACEN, e regulação como instituição de pagamento pelo Banco Central, a startup pretende focar em contratações de especialistas do mercado e projeta um crescimento acelerado para 2021.

Fundada em 2017 por três empreendedores, Rafael Negherbon, Guilherme Verdasca e Fernando Nunes, a Transfeera é uma fintech open banking com sede em Joinville (SC). A startup nasceu da vontade de simplificar pagamentos que eram feitos por meio de TED e DOC, e hoje atua como solução alternativa a estes modelos.  A partir do problema inicial a empresa percebeu a possibilidade de expandir suas soluções, e hoje, a Transfeera atua com duas soluções, uma para gestão e automação de pagamentos e outra para validação de dados bancários. 

A solução de automação de pagamentos evita as falhas de tarefas manuais repetidas, os custos e os atrasos dos estornos e as taxas abusivas de transferências para diferentes bancos, além de proporcionar um melhor relacionamento com fornecedores e clientes. Um exemplo são os aplicativos de delivery de comida, em que o número de restaurantes cadastrados é enorme. O trabalho de transferir os valores referentes às vendas para cada um desses estabelecimentos é gigantesco. A Transfeera automatiza todas essas transferências, de maneira muito rápida e extremamente segura. Já na validação de contas bancárias, a inteligência da Transfeera consegue prever os erros antes da transação ser efetivada,  se a conta é corrente ou poupança, se pertence ao banco apontado e se é do CPF ou CNPJ descrito.

A startup passou pelo programa de capacitação Startup SC, em 2017, pelo InovAtiva Brasil, em 2016, e pela incubação na Softville. Também fizeram parte da turma da segunda edição do programa de aceleração Visa 2019. Em 2020, a Transfeera também foi uma das selecionadas em Santa Catarina para participar do Scale Up Endeavor. Ainda no ano passado, a fintech foi vencedora da categoria Startup Revelação, do Startup Awards, da ABStartups. Além de ter recebido um aporte de R$ 3 milhões  liderado pelo Goodz Capital e com a participação de Bossa Nova Investimentos, Honey Island e Curitiba Angels.

Sobre a Transfeera

A Transfeera, fintech open banking de Joinville (SC), desenvolve uma plataforma completa para gestão e processamento de pagamentos. A fintech foi acelerada pela VISA em 2019 e pela Endeavor em 2020. Atua na automação de rotinas de pagamentos em escala, o que garante segurança  e agilidade do processo. Além da gestão e processamento de pagamentos, tem por diferencial inteligência para validação e verificação de dados bancários, garantindo a autenticidade dos dados dos favorecidos, sejam eles fornecedores, funcionários ou clientes proporcionando maior segurança para os pagamentos. A empresa já realizou 4.5 milhões de pagamentos, liquidou mais de 160 mil boletos, movimentando mais de 4 bilhões de reais para seus clientes, chegando a marca de 45 mil pagamentos em um único dia. No seu portfólio com mais de 200 clientes, a Transfeera apresenta iFood, Rappi, PayGo, Vakinha, CloudWalk, Paggue, Unilever e Kimberly-Clark.